Wikileaks: a Verdade nunca foi a virtude primeira destas Democracias...




Julian Assange está neste momento em prisão, após o recurso da Acusação, sobre a decisão do Tribunal, que o está a julgar pelos crimes de cariz sexual de que o acusam, que pretende que ele não saia em liberdade, para, assim aguardar o início do julgamento, ou a decisão sobre a extradição pedida pela Justiça Sueca que o acusa.

Só esta atitude de lhe querer retirar qualquer possibilidade de se preparar em liberdade, ou de lhe dar o direito, mínimo e humano, de aguardar como homem ainda livre, e ainda sem se saber se quem o acusa tem fundamento para tal, é quanto basta para se desconfiar, com justificada segurança, das razões que conduziram à Acusação. E para se desconfiar de que individualidades politicas e governantes, tal como Serviços Secretos, da Rússia, de Israel, do Egipto, do Irão, dos EUA, do Reino Unido, e até de Portugal pretendem a todo o custo manter Assange sob prisão e (pensam eles) fugir à transparência que as Constituições destes Estados, pelo menos dos institucionalmente democráticos, obrigam os políticos e os Serviços dos Estados, sejam eles Secretos, de Justiça ou Policiais.

Neste processo ocorrem-me várias questões.

Os políticos, apesar de eleitos usufruem de forma vitalícia desse capital de confiança e de referencias públicas que, tantas vezes de forma arrogante, assumem nas suas comunicações, aparições públicas e atitudes e decisões? Numa palavra: serão eles mais dignos da nossa confiança, apreço, estima, consideração e respeito do que...jornalistas? do que ...homens e mulheres comuns? Estão os políticos certos e seguros de estarem acima de toda e qualquer suspeita, ainda que negoceiem acordos e posições que possam lesar o povo que os elegeu? (como Bush, como Putin e Medvedev, como Chávez, como Zapatero, como Berluscon, como Sócrates, Blair, etc...). Porquê?

Os Estados, na Europa, na Ásia, na América, continuam a considerar legítimo e, sobretudo útil e vantajoso aos seus interesses e aos de terceiros, que se persista nas actividades Secretas e nos tráficos de interesses e influências que são a função das ‘Secretas’, Embaixadas e Ministérios dos Negócios Estrangeiros, dos diversos países?

É legítimo usar de todo e qualquer meio para ‘eliminar’, mesmo que não provocando o seu desaparecimento, indivíduos como Assange, que se verifica serem bem mais úteis às sociedades, pelo menos às democráticas, dos que gerações seguidas de políticos medíocres e de duvidosa honestidade, como todos os acima citados e mais alguns? E porque razão e com que direito se julgam estes políticos para assim pretenderem mudar o rumo da história, a seu bel prazer? E porque se julgam eles detentores universais da razão e da Verdade? Uma eleição, mesmo que democraticamente aceite é razão que baste para que todas a atitudes e decisões dos políticos tenham de ser aceites?

Lembro que...Hitler ganhou as eleições na Alemanha em 1936 e seis anos depois mostrou bem claro quem era e o que pretendia...deviam os alemães continuar (e muitos assim o fizeram ou passivamente o aceitaram, mas muitos outros o renegaram logo às primeiras decisões e atitudes anti-democráticas e totalitárias) a dar-lhe a sua confiança (‘até ao fim do mandato para que fora eleito...e que afinal era vitalício se o deixassem...) e apoiá-lo?

Porque razão negam a Assange um julgamento justo e uma preparação para o mesmo em liberdade? Porque o querem identificar com terroristas, como Bin Laden, se grande parte do seu trabalho tem sido denunciar abusos, das policias, dos Estados, dos governantes, à imagem do que faz a Amnistia Internacional, mas com muito mais eficiência e com meios mais práticos e eficazes?

Se Assange fosse o marginal depravado que querem fazer querer, porque lhe negam a possibilidade de fiança? Basta constituírem provas cabais de que é quem dizem, ou pretendem que seja.

O certo é que fazem dele mais vítima do que ele mesmo alguma vez pretendia. A começar pela Visa, pela Pay-pal, Mastercard e outras entidades financeiras (BCP incluído...agora entende-se o que eu já afirmava há muito sobre este Presidente do Millenniumbcp, escolhido e nomeado por Sócrates, num banco privado, através do accionista Caixa Geral de Depósitos..estar ali para servir, apenas, os interesses do PS, de Sócrates e de toda a Máfia que este instituiu em Portugal).

A Wikileaks e Assange podem ser atacadas pelos mais poderosos Serviços Secretos, políticos corruptos e mentirosos, manipuladores e mafiosos, Tribunais e Juristas que se deixam comprar...mas nunca se calará esta voz que exige a Verdade, a Transparência e a Qualidade e Inteligência, contra a mediocridade corrupta e mafiosa de grande parte da classe politica actual. Em vários continentes e Regimes.

Desiludam-se os que julgam poder continuar a esconder e a manipular, sob a capa do Direito e a Justiça, sobre a capa da Legitimidade.

Para ter Legitimidade e Confiança é preciso muito mais do que, apenas, ganhar eleições.

É isto que Julian Assange tem pretendido denunciar e por a claro. Se não o deixarem continuar a ser um homem livre, já fez muito mais do que muitas gerações de muitos de nós. Por nós! Para nosso bem e da nossa liberdade, esperemos que Assange ganhe esta batalha judicial e esta 'guerra' na Internet.

E outros virão e ficarão a fazer idêntico trabalho.

A ilicitude e a vergonha ficarão com estes políticos que agora se têm desdobrado em declarações tendenciosas e medíocres, contra a Wikileaks e Julian Assange. Desse rótulo já não se livram. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Leituras recomendadas

Parece normal

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz