Eu teria vergonha...

Eu teria vergonha. E tiraria ilações e consequências. Para quem foi responsável e para mim mesmo, se fosse o responsável pelos responsáveis, que, com estupidez, ignorância e uma inexplicável irresponsabilidade, elaboraram uma prova de avaliação dos professores, com tanto disparate...

Disparate e erro. Como é possível pretender-se avaliar docentes, com a justificação de ser absolutamente fundamental, para garantir a qualidade do Ensino, para filtrar a docência e usar de traduções de um mau gosto e de uma tão baixa qualidade, como se se estivesse a gozar, com uma total desfaçatez, dos avaliados?

E ninguém é responsabilizado? Ah, já sei! Deve ser porque 95% dos professores passaram na prova...na tão bem titulada "Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades” (PACC). Repita, por favor...? Prova de Avaliação de Conhecimentos? E que perguntas se fizeram para tal aferir? Ah! afinal passaram cerca de um terço dos professores? Então deve ter sido porque não tinham "capacidades". Ou as duas coisas, conhecimentos e capacidades, tudo a falhar, coitados. 

Mas alguém me diz que perguntas aferiam estas duas vertentes e intenções da dita Prova?

Uma vergonha. E que está a dar razão aos professores que tanto têm contestado a prova. 

Como outras coisas, mais uma vez, os incompetentes adoram dar razão aos adversários. Como noutros assuntos, se tivéssemos bons governantes do PS ou PSD, não se ouviria mais falar nem de PCP, nem de BE. Veja-se pela Europa, o que aconteceu aos comunistas? Onde andam? Claro, na Grécia, andam cheios de vida os "bloquistas" do sítio, mas pelas mesmas razões. Os Partidos democráticos também por lá, ou principalmente por lá, se portaram bem mal. O Pasok então...e até foi bem mais competente do que o PS de cá! Abram os olhos, portugueses!

O Senhor Crato devia ter juízo. Com esta prova, já é demais, e sobre a sua capacidade e conhecimentos ficou tudo muito claro, pelo menos para mim. 

E concordo, inteiramente com o Pulido Valente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Leituras recomendadas

Parece normal

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz