La bella musica romantica

A música romântica, no sentido sentimental (chamo-lhe música romântica, mas quem ouvir isto vai essencialmente ouvir uma beleza grandiosa, que o génio humano elaborou de forma magistral...é preciso sentar-se ouvir com muita, muita atenção, principalmente a Chaconne da 1004 de Bach e o Rachmaninov), não no artístico, tem, para mim, significados diferentes, consoante o compositor.

Gosto imenso de Chopin, mas as sua música é, em boa parte, de um romantismo doce, mas triste. Nostálgico. Nada saudável para se ouvir em momentos de tristeza, ou de saudade.




Gosto de Schubert, mas inspira-me alguma coisa do que ele foi, com uma vida tormentosa, apesar de tudo menos do que um Schumann, vítima de assédios suicidas, de desesperos sem solução, de amores não correspondidos. Sente-se muito na sua música.


Tudo isto é excelente. Em qualquer momento, claro que sim. Mas o nosso estado de espírito não é igual a todo o instante. E mesmo quando se trata de apreciar, em momentos de muito boa disposição, a arte por ela mesma, ainda prefiro (não relego para segundo plano um Chopin, um Schubert, um Beethoven, one of my favorites), gosto muito deste "tipo" de romântico, com força, com energia dirigida, vontade e sentimento profundo na mesma. É, para mim, um romantismo musical alegre e positivo. Não esquecendo este Bach, adaptado a piano, de uma Partida BWV 1004, lindíssima no seu original também, que adoro (faz-me parar tudo o que esteja a fazer, tudo! a beleza desta música toca bem cá dentro, e por dúzias de vezes que a oiça, o prazer é o mesmo, prazer absoluto), e que também se pode inserir numa escolha romântica:




Mas este Rachmaninov, Op.19! uma das minhas composições preferidas, sem comparações, estas coisas tão superiores a nós não se comparam. Desfrutam-se e agradecem-se a quem teve a capacidade de as compor. Isto sim, gente superior!




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Parece normal

Leituras recomendadas

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz