Estereotipar

"Gostamos de pensar que avaliamos as pessoas enquanto indivíduos, e por vezes esforçamo-nos muito para avaliar conscientemente as pessoas com base nas suas características únicas" (in Subliminar" de Leonard Mlodinow).

Mas estereotipamos...



A estereoritipização que estabelecemos, enquadrando as pessoas, e até a nós mesmos, em grupos, raciais, sociais, sub-grupos, com base na cultura, positiva ou negativamente, na inteligência que julgamos saber avaliar dos outros, nos gostos (que também agrupamos), na ocupação do tempo de cada indivíduo, serve duas causas. A da nossa defesa e segurança intelectual, tornando-nos mais fácil uma rápida avaliação, antes de uma análise, necessária e necessariamente mais atenta e cuidada. A do erro grosseiro que devemos evitar.

Todos fazemos erros parecidos, numa análise ligeira e superficial de outras pessoas, mas é a forma como o nosso inconsciente nos protege, numa aproximação rude sobre os outros.

Mas a nossa mente consciente "sabe" e alerta-nos, embora nem sempre entendamos os sinais, e os sigamos, para a necessária avaliação cuidada, onde se pode contradizer a primeira impressão.

Ao agruparmos as pessoas, catalogando, não as estamos a ver como indivíduos, mas como parte de um grupo já parte do nosso "catálogo" privado. E o esforço, para re-avaliarmos as pessoas, desta vez como indivíduos, vale em geral a pena. O indivíduo ganha outra imagem na nossa, mente, despido de título académico, posição social, capacidade económica, apresentação até, forma como comunica, etc.

Numa segunda avaliação, com o consciente a controlar melhor a mente, uma mesma pessoa, passa de parte de um grupo, estereótipo, para indivíduo, e podemos então ver, com mais cuidado, como a pessoa realmente é, as suas reais características, sem rótulos e "capas".

Mas nem sempre "damos essa possibilidade" a toda a gente. Diria até que damo-la a muito poucas pessoas, normalmente a quem nos interessou à primeira. E esse é o problema. Porque "à primeira" impressão, podemos, e com frequência o fizemos, criámos uma imagem errada de alguém.

A atitude de abertura, de muita abertura mental, e de esforço de análise dos outros sem estereotipar, é o que mais benefício nos pode dar para melhor avaliação de cada um. Como indivíduo.

É como indivíduos que devemos ver os outros. Sem ver "interesses" nossos, preferências, como as acima referidas e outras. Dizemos, mas muitas vezes não o fazemos.

Alguém me disse que o fazia, não há muito tempo. Uma pessoa que considero extraordinária. Deve ser por isso mesmo que a vejo assim, calculo. Sei de mais amigos meus que o tentam fazer. Mas sei que uma ou outra vez, nos deixamos levar, por conforto intelectual, na mesma atitude de análise superficial, sem segunda oportunidade. Defesa nossa.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Leituras recomendadas

Parece normal

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz