No coração da maldade

Durante séculos o Coração era o órgão do Sentimento. Com o tempo, o coração passou a órgão do Amor, o amor-amor, amor-carinho, amor-paixão, o fraternal e tantos amores que só para abordar o tema precisamos de um glossário. Há alguns anos abordei este tema, tentando explicar o que, para mim, consigo destrinçar entre paixão e amor. Há quem sinta amor apenas quando sinta paixão. Um paradoxo em si mesmo, ou talvez não. Há quem fuja da paixão, daquele aperto no peito, o formigueiro, o trabalho acessório, desnecessário e perturbaste dos intestino (telúrico e raquidiano, dizia um professor meu de Inteligência Emocional). Há que considere que uma é o princípio do outro, que são fases do mesmo processo (que não nos tira 'do sério', mas tira o sério). Deixo para mim a minha escolha pessoal no cartaz mais procurado do Universo.

L'amour...

E depois há o ódio e seu corpo físico, a maldade. O anjo negro do amor. 

Quantos de nós já conheceram esta face necrótica da vida? Todos pensamos já ter conhecido, uma ou outra vez. Lembro-me da Lei de Murphy, que nos diz que ...há sempre uma oportunidade para que algo que correu mal, venha a correr pior. 

Mas a maldade vem com gente anexa. Como o amor, mas a face...pode, precisamente, vir disfarçada do mesmo. Lembram-se do Fausto e de Mefistófeles? 

E com a máscara do amor, pode vir um Mesfistófeles refinado? Pois.

Será o ódio e a maldade a face oculta do amor, ou a sua transfiguração? 

E há um coração com maldade, ou maldade no coração? E no centro (coração figurado) há o quê. E o que se pode entender por coração da maldade? No seu mais íntimo, e mais íntimo mais perverso, mais maquiavélico (lá está! Maquievel foi um filósofo! E não pretendia ficar com esta marca de mau. Era um estrafega, infelizmente ao serviço de uma corte Papal onde a maldade era um jogo de crianças, os Bórgia. 

Já foram abordados por este mal maquiavélico nas vossas vidas? E saíram com vida? Sim, claro. Mas o ponto é que não saiamos diferentes do que éramos, quando para esse coração negro que nos abraçou cinzento e asfixiante, entrámos.


Essa a arte, que nos fará flutuar no outro lado. 

L'amour. O elixir que não é para quem pode, não para quem quer. Mas para quem consegue.
Parece que quem não sabe amar ao ódio se dedica. Bebeu um outro elixir, veneno dos deuses negros.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Parece normal

Leituras recomendadas

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz