29.12.13

Um Novo Ano é sempre Novo!

Faltam apenas dois dias para terminar este ano difícil, o mais duro, para mim, o mais doloroso, desde que me recordo, para mim e para os meus mais queridos. E para os meus amigos, provavelmente. Sabemos todos porquê, em geral. Mas cada um de nós, provavelmente juntou ao já difícil, umas quantas mais complicações, dificuldades, ou problemas e tristezas de muito difícil ultrapassagem. Não me vou lamentar, em privado já o fiz em excesso. E, se sempre me considerei um optimista, desenvolto e liberto de acidez ou de estados depressivos, tenho apenas de confessar que esta fase da minha vida tem sido muito dura. Aligeiraram-me as preocupações e inseguranças, as agruras profundas, algumas pessoas que se mantiveram fiéis, por amizade umas, por amor, outras. Mas, ao terminar o ano de todas as dificuldades e tristezas, desilusões e descrenças num optimismo que me era natural...não quero apenas falar de mim. Sou apenas mais um.

2013 foi um ano de tal ordem odiado, indesejado e temido, que a poucas horas do término ainda se espera alguma notícia má. É o Ano Ruim até ao Fim! Da política, da economia, da sociedade, das famílias...este Ano foi o das depressões e desilusões. Pouca coisa terá ficado igual, para alguém. E por mais que agora se venha abrir aos braços a 'um fim de crise' pouco credível (e não quero comentar política!), sabemos que o ano que se avizinha só poderá ser melhor para quem já esteve bem em 2013. E que, contas feitas, a situação de cada um será sempre pior do que no ano que finda, e do que nos anteriores anos, num recuo de mais de vinte provavelmente. Estaremos mais pobres, com mais dificuldades, e com mais incerteza e insegurança. Mais problemas, profissionais e pessoais, uns derivados dos outros, que em nada auspiciam o famoso 'Feliz Ano Novo' gritado, sussurrado, ou beijado a quem nos estiver próximo às doze badaladas de dia 31 de Dezembro.

No entando, um ano a terminar é sempre uma volta mais na nossas vidas, um fim de ciclo e o inicio de outro, e bem lá no fundo de cada um de nós, ainda há sempre uma ténue esperança...que de facto o Novo Ano venha a ser melhor. Não pode ser de outra forma.

É esse o meu mais profundo e sentido desejo. Para todos. Para os meus queridos. Para os que amo, e que faço questão de o dizer, serão amados até ao fim dos dias. Para os que me são mesmo amigos e até sinto ter alguns que ainda nem conheço fisicamente, mas que o são desinteressada e desapaixonada mente, libertos de peias e de intenções, Amigos que se amam como tal. Eles sabem quem são. Sempre o sentiram da minha parte, e por isso são poucos, mas incondicionais. Comovo-me ao lembrar-me da imensa amizade, nem sempre por mim alimentada como mereciam, nem sempre com a disposição que lhes devia dar, a disponibilidade minha que lhes é merecida. Mas também penso saberem porquê e me entenderem um pouco. Comovo-me com os sentimentos fortes que em momentos difíceis e marcantes nos deixam sem sabermos exprimir o adequado e o justo. O meu círculo de familiares mais amados sabem, no entanto, que sem eles eu nada seria.

Espera-se de cada português um esforço derradeiro. Um esgotante esforço de resistência e, sobretudo, uma capacidade em acreditarem. Sirvam-se de alguma crença religiosa, ou apenas das suas humanas forças.

Espera-se dos meus mais chegados a mesma força indestrutível de acreditarem. Em si mesmos. E em mim. Todos sabem que se estivesse nos meus meios, o mundo lhes daria com o sorriso de quem tem prazer em Dar e Fazer Feliz. Mas para tal...

Espera-se que eu mesmo supere. Que me supere, uma vez mais. Que, assim, descobertas forças e criatividade em recônditos da minha resistência e da minha pouca inteligência, cansada e tantas vezes estéril...possa fazer de 2014, desse já pouco credível ANO NOVO, um novo e definitivo ciclo de mudança. Quem ficou para trás por opção já não entra comigo em 2014. Felizmente são poucos, ou apenas um, outrora um amigo que pensava não ser aquilo em que se transformou, mas alguém que enchia momentos de prazer perdurável, como perdurável esperava ser a sua amizade. Substitui-se a amizade por uma traição à mesma. Para sempre.

Não me sinto bem em perder pessoas pelo meu caminho, já bastando as que se vão por motivos naturais ou pela degradação física que a vida nos presenteia. Não me sinto bem a escrever sobre estes temas. Mas um dia, uma vez apenas, num ano todo, acho que me compete ser honesto com a minha inteligência reduzida ou redutora. A mesma que não me deixou ver os erros que devia ter evitado.

Entrarei em 2014 com a pujança toda que conseguir arranjar e num assomo de muita fé nos meus queridos amigos e amados, quero terminar o ano que ainda nem se inaugurou, levando-lhes orgulho em me terem como amigo, como amado (homem, pai, irmão, familiar).

Quero entrar no Ano Novo, com a serena determinação de conseguir mudanças para mim e para outros, que comigo vivem ou convivem, contrariando os maus augúrios!

Desejo o mesmo a todos Vós!

DESEJO A TODOS UM ANO NOVO FORTE E MUITO FELIZ, DE COMBATE À DESILUSÃO E DE TRANSFORMAÇÃO, UMA VEZ MAIS, DAS NOSSAS VIDAS PARA MELHOR!

BOM ANO!!!