21.3.11

Fantasmas, fantasias, medos e mentiras

É uma táctica antiga para ganhar simpatias eleitorais. Provocar o medo na população. É o que pretende o PS, quando desencadeia a crise de que se fala. O medo de uma crise política, porque ela pode causar muitos danos às finanças do país. E porquê? Porque já sabe que terá de haver eleições. Porque já percebeu que terá de dar tudo por tudo para voltar a ter legitimidade, que não a perdeu de forma institucional, mas de forma tácita, por ausência de apoio social e de todo o espectro político, sendo um Governo minoritário.


O problema com que o PS tenta acenar ao país e fazer surgir o medo de uma crise é o de serem dificultadas as condições de financiamento externo. Uma imensa falsidade. Nunca a União Europeia poderá deixar cair um Estado Membro. O financiamento, como se verá após eleições, estará facilitado com um Governo em que Sócrates não entre, liderado pelo PSD, eventualmente com o CDS e até o PS. Mas nunca um Governo com o PS em posição de força dará garantias a Portugal ou, tão ou mais grave, às instituições que nos aguentam financeiramente.

O problema não é, por isso, a crise política, que, pura e simplesmente não existirá. Só haveria crise política se não houvesse uma solução após um acto eleitoral. O problema é o PS. A desgovernação e a má gestão. Um Partido que nos trouxe sempre, mas sempre ao endividamento, ao endividamento das gerações actuais e futuras. Nunca o PS nos deixou bem em termos financeiros. Mas nunca o PS teve um líder tão mau, tão incompetente, tão ignorante, tão arrogante e tão agarrado ao poder. Nunca houve esta mediocridade no país.

O PS tem mentido, na pessoa de Sócrates. Diz-se o único e o iluminado, capaz de resolver uma crise financeira provocada por ele mesmo. E é bem ao contrário. O PS, e Sócrates em particular, é quem está em piores condições para resolver isto. E com o PS vem o FMI e Fundo Europeu, tal como vem com qualquer Partido. Igual. Quer isso dizer que, se este Governo mentiu, como se sabe que mentiu e continua na mesma linha:


  1. Já está negociado o PEC IV com a União Europeia e o BCE, e assumido como compromisso, escrito: ninguém de boa fé o pode alterar, sendo que essa alteração, por suposto, teórico, novo acordo em Portugal entre Governo e Oposição, então isso é bem mais grave em termos de confiança no exterior, em termos de conseguir a ajuda do Fundo Europeu+FMI, de forma mais flexível e benéfica, leia-se com juros mais acessíveis (menos de 3% por exemplo), do que qualquer 'crise política (que é apenas uma forma de uma Democracia se ajustar, encontrando novos gestores para a Administração do Estado);
  2. Que a ajuda externa, com FMI ou com menos FMI, chegará sempre a Portugal e já não tarda, e isso nada tem a ver com quem está no Governo na altura;
  3. Que o PS apenas provoca isto, para intentar danos na Oposição, por saber que irá perder as eleições, mas interessa-lhe que o PSD não consiga a maioria absoluta, ou isso lhe custará muitos anos na Oposição. Danos que durante um acto eleitoral se tornem bem difíceis de gerir e ultrapassar. Ou seja, uma atitude imperdoável e inqualificável, pelo que tem de falso e teatral, de artificial e fabricado, de insuportável. Pelo que tal significa no desprezo pelo interesse por Portugal, subordinado de forma inaceitável aos interesses de um PS responsável por esta destruição económica e esta depressão financeira, aos interesses de Sócrates, narcisista, arrogante, fascista e intolerante. Nem Hitler se lembraria de tais artimanhas!
O PS, e mais ainda Sócrates estão cada dia mais isolados nesta atitude inqualificável de ter destruído uma economia que vinha a recuperar e a ganhar terreno na Europa, um sistema finaceiro que nunca mais será o mesmo, e sozinho nesta imensa mentira que terá de ser responsabilizado e sofrer na Oposição pelos danos que nos causou a todos. Está Sócrates cada vez mais isolado, na mentira, na aflsidade na deslealdade para connosco portugueses, na fantasia que vem criando, na mistificação económica e financeira, na mentira das suas pseudo reformas, nunca realizadas, e mesmo a da Segurança Social seria preeferível que nunca tivesse sido feita, pois as geraçaões futuras terão da a pagar, para que as actuais ainda possam ter reformas e pensões. 

Mas Sócrates não desarma, como qualquer deliquente reincidente, e  ainda andará a fazer a propaganda do medo e do caos. O Medo de uma falsidade, pois o FMI já cá está, mas de forma ainda não assumida, embora com as suas medidas e controlo. E virá de forma efectiva, governe quem governar. E mais depressa virá, e com mais dureza, se for um PS, este PS deste ditador a perseguir esta caminhada para o desastre total.

Resta-nos, pois, exigir e apoiar a queda deste Governo. Ainda que lhe chamem Crise Política, mesmo não o sendo, pois há boas soluções, ela é melhor do que a profunda crise em que Sócrates persiste: do TGV, dos organismos do Estado sem contas apresentadas, ainda que obrigados por Lei, do compadrio e clientelismo, do controlo dos tribunais, das falsas estatísticas, do aprofundamento da nossa miséria.

Deixem-se de fantasmas e de medos. Mudemos de rumo, e depressa. Cada dia ser-nos-á mais caro e custoso!

12.3.11

Portugal elogiado em Bruxelas, mas sob “ vigilância apertada” (Diario de Noticias, 12 Mar 2011, Page 19)

Sim, pois... caso para dizer: 'não são eles que levam com elas'. Bruxelas...Berlim, Paris. Têm todos imensa razão. A razão que lhes advém de serem nossos credores. Nossos actuais e futuros credores e 'seguradores do esbanjamento de Sócrates'. Mas nada mais do que isso. Ora, o respeito e aplauso devia ser para os portugueses e não para este mentiroso incompetente e mafioso, que nos rouba há anos e seguramente já garantiu o seu futuro pessoal como gestor de uma qualquer empresa 'amiga' (BES, BPC?). Pois Bruxelas não tem razão! Razão temos nós, portugueses e com ela expulsaremos Sócrates E os seus apaniguados, também falsos, também mentirosos e também abusadores do Estado. Mafiosos, numa palavra.

Portugal elogiado em Bruxelas, mas sob “ vigilância apertada”
PATRÍCIAVIEGAS, em Bruxelas
Diario de Noticias
12 Mar 2011

José Sócrates viu ontem à noite as suas novas medidas de austeridade apoiadas por uma declaração conjunta do BCE e da Comissão Europeia, que, apesar disso, sublinham a necessidade de manter o País sob “ vigilância apertada”. A cimeira dos líderes da...leia mais...

10.3.11

Cavaco Silva

Um Presidente fiel aos seus princípios, pelos quais foi eleito e com os quais sempre ganhou a confiança dos portugueses: dizer a verdade, mesmo que essa seja amarga e dura a alguns. Neste caso, a Sócrates, que diz muitas vezes ter estado sozinho. Claro, como sempre terminam os déspotas, os falsos, os mentirosos, os mafiosos, os ocos de carácter e, principalmente, os que tudo fazem para, arrogantemente, se intitularem do que nunca ninguém lhes outorgou. Pensar pelos outros, achar-se no direito, nunca ganho, nunca legitimado, de considerar que sabe pelos outros, o que para eles é melhor.

Só pode ficar isolado, este Sócrates vergonhoso, um garoto sem nível, um político mísero e que teima em levar-nos ao mais fundo da lama que gerou.

Agora, Sócrates tem diariamente uma batalha: a de conseguir financiamento externo. Apenas conseguir financiamento, para mais fazer crescer a nossa dívida e comprometer mais o nosso futuro e dos nossos filhos e netos, que ainda nem têm noção de quão lhes será difícil e mais pobre a vida. Financiamento para teimar em obras e actividades que Portugal não pediu, não necessita e só poderiam servir para manchar de vez, o nome do PS, à custa deste mentiroso sem formação e sem nível.

Mas pode o PS, este PS actual e não o democrático Partido Socialista que Mário Soares fundou, estar certo de que não irá prosseguir este caminho de endividamento e empobrecimento, mas também de Mentira e de clientelismo e ainda de despotismo e perseguição política (como atestam os falsos processos judiciais todos perdidos, instaurados contra os adversários de Sócrates e como atesta a perseguição contra juízes que teimam em descobrir a verdade: a Verdade que condenará Sócrates pelos crimes contra Portugal).

Todos somos necessários para expulsar este criminoso e mentiroso déspota de nome Sócrates, mas seguramente que Cavaco Silva tem essa responsabilidade e será relevante o seu papel.