SMAS Oeiras e Amadora, Seven e...disparates de (má) gestão

Publica o senhor Campilho um artigo no Jornal de Oeiras, como o título de 'Seven', aludindo a um famoso filme que se debruça sobre os sete 'pecados mortais '. Não me vou debruçar sobre a enormidade do disparate, enclausurado numa falsa moral católica, que muita gente gosta de brandir, porque julga socialmente correcto, prova cabal, aliás da falta dos 'ditos' no que a convicções diz respeito (opinião pessoal! Não se ofendam os melindrados moralistas do costume. Mas mesmo a propósito, brando eu bem alto a minha questionável moral pessoal, contra essa outra que muita gente gosta mostrar-se defensor empedernido, ou, pior, 'racional'- deixem-me rir sozinho...- cujo valor é o que é, e que terá o direito de ser questionada, tal como o não é essa ridícula coisa chamada catolicismo, 'superior'.

'Pecados mortais', enfim... lembra-se cada um de cada uma...

Mas interessa é tentar perceber o mobil deste artigo, em geral bem ao gosto da propaganda política mais básica, mas que, afinal, parece ter outros intentos.

Então os SMAS Oeiras e Amadora são um orgulho em termos de recursos humanos e já 'conquistaram o país', partindo agora à conquista da Europa e do Mundo. Interessante, que as pessoas que de lá conheço não digam o mesmo, mas, nem sequer sendo para contradizer, por má índole, dizem bem o contrário.

Uma empresa pública municipal que muda os seus quadros ao sabor do vento, que é coisa que não falta em Oeiras, também. Que os muda, não pela competência de uns, ou incompetência de outros, mas por critérios nunca entendidos cabalmente, ou, talvez, por dar mais jeito a amigos de alguns, por sua vez lá colocados, pelo mesmo insano critério, da amizade e compadrio, contra qualquer juízo de competência pessoal. Diria mesmo, contra toda e qualquer princípio da boa gestão dos recursos humanos.

Não. Não será o pior sítio e o pior exemplo da má gestão de recursos humanos. Mas seguramente que levaria a palma de um dos locais de trabalho onde a vergonha e o pudor não existem.

Engraçados os gestores que se gabam a si mesmos, que candidatam as suas empresas a prémios que valem tanto, como a sua gestão medíocre. EDP? CTT ???? por favor...ASCENDI??? Mas esta gente julga que basta dizer, para ser verdade? Não lhes serviu os mais recentes exemplos da nossa propaganda política (ia a dizer barata, mas mentia, pois ficou-nos bem cara...)?

Se os SMAS Oeiras e Amadora não se podem gabar de uma coisa é precisamente da sua política de Recursos Humanos (troca de quadros, sem critério algum, critérios e classificações ao sabor de sabe-se lá o quê, menos de qualidade do desempenho dos seus recursos humanos, aliás, Pessoas, que é coisa que já não se usa, e é bem mais Cristão, a propósito). Aliás, nem possuem qualquer política, mas antes...muito 'vento'....que umas vezes leva uns, outras, traz outros...

Mas aliás já sabia eu, por experiência, que as empresas que a prémios se candidata, só pretendem obter um escrutínio positivo que, dentro delas, junto das suas pessoas, eufemisticamente designadas de Recursos Humanos (nestes tempos de mediocridade na gestão, empresarial e política, em que a criatividade dos gestores, públicos e privados se fica pelas designações inventadas, mais do que outra coisa de valor real) lhes é negado e chumbado, categoricamente.

Numa palavra: só os medíocres e de mais baixa qualidade no seu desempenho candidatam as suas empresas a estes prémios parvos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Parece normal

Leituras recomendadas

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz