Juízo, Senhores!

Dois candidatos à Presidência da República, entregaram-se nos últimos dias a uma ridícula e triste campanha de ataques pessoais. A base das acusações foi, de Manuel Alegre para Cavaco Silva, as ações que este possuíra no BPN/SLN e o negócio que teria feito com elas. De Cavaco Silva (ou indirectamente, por interpostas pessoas, apoiantes, ou não) para Alegre que este teria participado numa Campanha publicitária e da qual teria recebido pagamento, quando como Deputado não poderia te-lo feito. Verdades ou não, o tom acusatório de pouco nível, e a tentativa de se atingirem, mutuamente, dois dos políticos mais sérios e honestos, como pessoas, é bem o sinal destes tempos de atitudes extremadas e absolutamente estúpidas. Os outros candidatos não merecem qualquer comentário, nem sobre isto, nem sobre mais nada, pelo rídiculo apalhaçado, por vezes, ou pela futilidade, ou ainda pelo anacronismo serôdio do que dizem, quando alguma coisa dizem.

O Presidente não é o Cargo, ou Função política mais visível no nosso sistema democrático (nos últimos anos abalado pelas tentativas de subversão por parte de Sócrates), mas é uma Instituição em si mesma, um garante da Democracia, se for um democrata (e o anterior foi facciosamente democrata, ao demitir um Governo de qualidade bem superior aos de Sócrates...) e será, muito provavelmente, o Presidente, o próximo que for eleito (Cavaco Silva sem sombra de dúvidas...) o que mais difíceis decisões terá de tomar quanto a este Giverno de incompetentes absurdos e que roçam a estupidez, arrogantemente. 

Portugal terá de se ajustar às medidas que o FMI em conjunto com o Fundo Europeu irão impor, entre o primeiro e o início do segundo trimestre deste ano. A Espanha começa a 'queixar-se' do efeito de contágio que Portugal já está a 'provocar'. Outra estupidez socialista, desta feita de Espanha. Mas pretende a Espanha fazer esquecer que é o país mais responsável pelo estado da economia portuguesa...??? 

A fuga das multinacionais, do sector da Química, da Cosmética, do Automóvel, da Electrónica, foi a consequência directa da centralização das actividades das mesmas em Espanha. Forma milhares, muitos milhares de empregos, e uma importante capacidade implantada, que saiu de Portugal.  O sector das Pescas, mas também da Agricultura, que Portugal entregou (numa má negociação, no tempo de Cavaco como Primeiro-ministro, onde apesar de tudo se cresceu acima da média europeia e de Espanha, e o desemprego foi inferior, mas em que a Dívida do Estado cresceu enormemente) a Espanha, é mais um dos exemplos de como a Espanha foi, em tempos modernos (tal como no passado) o país menos amigo e o que mais prejudicou POrtugal. 

Neste momento, Portugal é contagiado pela péssima situação económico-financeira de Espanha...e eles dizem o contrário.

Este é o cenário que encontrará o próximo Presidente da República. E não é compatível com um Presidente marcado por uma campanha menos digna!

Juízo, apesar da Vossa idade...!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Leituras recomendadas

Parece normal

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz