A psicologia do Tempo




O tempo é visto por cada um de nós de forma diferente, de acordo com o seu referencial, a sua experiência passada, a sua perspectiva de vida futura.

Facilmente se demonstra que o Tempo é o bem mais valioso que todos temos. Não é tangível, não se pode guardar, não há investimento de tempo, como há de dinheiro, por exemplo. Mas, tal como com o dinheiro, há o custo de Oportunidade, expresso naquilo que se poderia, ou poderá, ter feito ou fazer, em lugar de outra coisa.

O Dinheiro pode ser, aceitavelmente, num dado momento ou período da vida um bem de valor difícil de substituir, mas o tempo...não é nunca substituível. Nunca.

Um milionário pode despender tempo, energias, recursos seus e outros, humanos, para aumentar e manter a sua fortuna, mas pode nunca a conseguir aproveitar. E...de que lhe serve? Será ele a pessoa com melhores condições de vida, se nem a vida na sua totalidade, ou mesmo parcialmente a aproveita? Fazem-se viagens, reuniões com amigos, reuniões sociais, risos, festas...e ao fim do dia, estamos de novo sozinhos. E mesmo quando estamos acompanhados, se não com quem efectivamente queríamos. Tudo porque...o tempo certo, o tempo adequado para aproveitar e decidir, para iniciar alguma coisa única, foi sendo deixado para trás.

A minha gestão do tempo não é a mais saudável. Hoje. Porque já vi tanta gente perder tempo, deixá-lo correr e ...de súbito, por doença sua, por morte de alguém muito querido, por alteração das condições de vida, tudo ou muito, se perdeu. Já vi acontecer bem à frente dos meus olhos, com familiares e amigos. Por isso sem escolher, sem reflectir fui sentindo uma urgência pelas coisas, que não é a mais saudável. Para mim, e não só.

Mas a gestão que vejo em tanta gente é, com frequência, ainda pior. Mas vamos pensar então um pouco.

Há duas perspectivas grandes, gerais sobre a forma como vemos o nosso tempo (e lembro que a maior parte de nós nem pensa no Tempo, como o factor indubitavelmente mais importante e fundamental nas suas vidas!): ver o tempo pelos olhos do futuro, ou vê-lo pela perspectiva do presente. Segundo a primeira forma de vermos o tempo, estamos...sempre  a tempo e não atrasados (as coisas virão e acontecem se tiverem de acontecer, etc.). De acordo com a segunda, estamos sempre atrasados.

Cada um de nós pode ver as coisas de uma ou outra forma, ou perspectiva, ou num misto das duas, de acordo com as circunstâncias e os assuntos.

Mas quer por uma, quer pela outra perspectiva, a sensação de que o Tempo deve ser vivido e aproveitado, sem o desperdício que, tantas vezes, as nossas energias, ou as circunstâncias, da nossa vida ou de alguém, nos limitam ou impedem, é mais ou menos geral. Quando se pensa na vida, em termos de Tempo...

Pois há também quem insista e persista em viver pelo passado e ...eu diria que é imensa, imensa gente! Esta sim, as perspectiva errada, doentia, e o caminho certo para vidas mal vividas e desperdiçadas.

Irónico que, ou por razões culturais, ou questões de protecção e defesa pessoal, ou falta apenas de uma atitude corajosa e proactiva na vida, estas pessoas que vivem muito ancoradas no passado, sejam as que tentem mais dar ‘lições de vida aos outros’. Não tendo a mínima noção da sua atitude ridícula e estagnante, e tão pouco inteligente, como incompetente. Felizmente que as sociedades mudam cada vez mais e, queira-se ou não, mudarão sempre no bom sentido, no que a esta gestão e ‘urgência’ de viver diz respeito.

Dou por mim tantas e frequentes vezes a ler e ouvir citações, provérbios, ditados de avós e civilizações...

Dou por mim com esta tremenda inércia persistente num modo de vida que morre todos os dias, de gente que nem a noção tem de quão ultrapassadas estão...tão ‘fora de tempo’, a persistir num tempo passado, de ‘bons costumes’ e sei lá que disparates...

Porque a sensatez e o equilíbrio nas decisões e atitudes, nada têm que ver com provérbios, ideias feitas, frases de avós...são de todos os dias e de todos os tempos, mas a inércia na mudança e na evolução, não é sensatez, é estupidez! E pouquíssima inteligência...(sinónimo de....).

A gestão do tempo mais saudável está algures entre as duas perspectivas gerais, fazendo depender muito do momento e da importância do assunto em causa.

Mas viver...é todos os dias a cada momento. O tempo que passa...já não volta, pois !

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Parece normal

Leituras recomendadas

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz