Sócrates Vs. Portas na TVi

(in jornal i, 3.09.09)

"Na recta final do debate, José Sócrates teve uma deriva cinéfila: "Há um filme que se chama 'Sei o que fizeste no Verão passado'. E os portugueses sabem o que você fez no governo passado". Paulo Portas contrapôs: "O que está em julgamento é a maioria absoluta que este governo teve. Para si, ou tudo é culpa do passado ou é culpa do mundo" (in i, 3.09.09).

Portas falou de absurdos xenófobos e securitaristas, e Sócrates só contrapunha com 'quando o senhor esteve no Governo', fórmula totalmente gasta, porque, de facto, o que está em 'julgamento eleitoral' em jogo é a maioria absoluta, incompetente, prepopente e anti-democrática deste PS. Mas já não há nada a fazer pois, como dizia o Princepezinho de Saint-Exupéry, é 'da natureza' de Sócrates. Escuda-se ele em números trabalhados.

Ontem Portas apontava as 'melhorias' e 'milagres' de Sócrates com gráficos e mais gráficos, mas são, realmente, verdadeiros. O défice foi reduzido à custa de todos nós, mas foi gerado por uma má administração do Estado, que nos últimos catorze (14) anos, esteve onze (11!) nas mãos do PS. UM PS que usou das mesmas estratégias, um copia fiel, de Salazar!
E, em matéria de liberdades também usou, e parte, a atitude e postura de Salazar, controlando a Comunicação Social. Dizia José Sócrates de Sousa que a primeira liberdade é a segurança das pessoas, mas na verdade a primeirissima liberdade individual é a liberdade de pensamento e expressão. Decepada em larga extensão por este Primeiro-ministro vaidoso e narcisista, incompetente em múltiplas matérias, principalmente naquelas de que mais se gaba: desenvolvimento económico (que Portugal só conheceu em décadas, com Cavaco Silva e Manuela Ferreira Leite como Ministra das Finanças!), desemprego, que sempre veio a aumentar, anualmente, sem excepção, educação que só tem levado a desastres e falsas estatísticas e, mesmo assim, continua a 'puxar' Portugal para trás em termos internacionais, Justiça, uma autêntica vergonha, desenvolvimento científico, uma urna funerária do erário público, Segurança Social, um criador de fossos entre os portugueses, com gente que não produz a eternizarem a sua subsidiação...

Nem me preocupa que Portas tivesse ganho o debate, co o indicam vários órgãos de comunicação hoje, porque isso de ganhar debates pouco me diz. Preocupa-me que, de uma vez por todas, se corra com este falso engenheiro do Poder. Para que, de uma vez também, se inverta este ciclo de atentados à liberdade e se regresse aos tempos de desenvolvimento económico, que com Cavaco já foi superior ao de Espanha e da Irlanda.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Leituras recomendadas

Parece normal

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz