Post ligeirinho de fim de semana

Hoje andei nas minhas lides de pai em fim de semana.

Entre deiversas actividades... tive de levar uma filha a uma festa de aniversário. Seria absolutamente normal, para pai em fim de semana- quem é pai ou mãe, com filhos em idade escolar, sabe do que falo- não fosse que a festa se efectuava na Costa da Caparica, no INATEL (Inatel, imaginem...ainda existe! Existe, persiste e tem culto, com uma das glórias do antigamente, do tal outro regime). Existe e lá estavam pessoas com ar feliz. Pareceu-me. Acho muito bem, quem sou eu...

Ora, ir de Benfica (pois, ainda há gente que vive em Benfica, diria um amigo meu...) até à Costa, num fim de semana de Verão ?!? Há cada um... isto só mesmo para pais... às duas e mei da tarde?! Regresso previsto para as 18:30 h ?!

Fiz o pânico todo ainda nem o elevador havia chegado ao meu piso, antes ainda de descer à garagem com a filhota. Eu ia meter-me numa daquelas bichas (as de carro, as filas de trânsito, tenham lá paciência...or'essa!) de praia? Nem acreditava em mim...

Na estrada, com a filhota e uma colega da escola- "podes levar a minha filha que nós não estamos cá"...o esperto, ahn?- até nem tive grandes problemas com o trânsito. Pelas 15 h e algo lá estava, ou seja, isso após um curso de interpretação cartográfica que tive de fazer pelo caminho, para descobrir o tal Inatel da Costa.

Numa área bastante considerável, inserida num parque de campismo, dos bem portugueses, diga-se, com a terra, pó, obras, zigue-zagues, tapumes e mais à mistura, lá estava a piscina da festa. Imensa. Descomunal. Dois milhões de portugueses, no mínimo, lá se encontravam também... Que pena tive da filhota... mas o espaço era enorme, de facto.

Quando vinha a sair..."o senhor é daqui?" perguntou-me um rapaz... devia ter ar de ser dali...não sei porquê.
Eu achava que, ali, as pessoas tinham aquele ar deslavado de, sei lá, catecistas? macrobióticos? (não me levem a mal, não tenho nada contra) uma espécie de gente, saída de um filme antigo, um filme com quarenta ou mais anos. Despigmentadas, descoloridas mas, talvez, com ar feliz.

Ainda não havia percorrido o caminho todo, de regresso ao carro, e voltaram a dirigir-se-me: "quanto custa a entrada na piscina do Inatel, senhor?" Devia mesmo ter ar de ser dali...mas não queria...

Junto ao carro havia uma vedação, que separava o parque- parque é figura de estilo, enfim, terra seca e pó em barda, a dar negócio aos fabricantes de graxa para sapatos e às estações de lavagem de automóveis- do restante recinto, um grupo de idosos lia um papelinho apenso à porta da dita vedação: e liam, todos, concentrados, como se de um jornal de parede chinês se tratasse, anunciando uma novidade política qualquer: "Informam-se os utentes que ao Domingo e Feriados estamos fechados". Qualquer coisa assim. Estranho... justamente aos Domingos e Feriados... então paar que servia "aquilo".
Eu devia ter lido mal. Eu não era dali.
E o ar daqueles idosos... de calção...mais um filme antigo...
Lembrei-me dos Serões da província". Que aconchegante!
Felizmente que uma outra mãe de colega da minha filha iria fazer o favor de a trazer de volta...

A ver se conseguia umas horitas egoístas, para me entregar a um livrinho, que me tem levado para lá deste mundo, que me vai dando bons pedaços de vida e de ar puro de imaginação.

(antes isto que pensar em política, com este calor!)

Comentários

lilla mig disse…
Então e conseguiste as horitas de leitura? :)
abf disse…
Consegui! Não tantas quantas gostaria, mas consegui. Ufffa!
Hipatia disse…
Ligeirinho?

Pois! Apanhaste pouco trânsito :))))

Mensagens populares deste blogue

Leituras recomendadas

Parece normal

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz