O (des) Governo da teoria

(ia escrevendo por aqui abaixo e pluffff! rebentou-me o Firefox na ponta dos dedos e agora...e agora... perdidas aquelas primeiras palavras, ao fluir da mente- pouca-mente, mas alguma...- já nem apetece escrever o mesmo...)

Então o Sócrates (não me apetece chamar ninguém de Engenheiro ou doutor, desculpem-me, sou mais primário, como se costuma dizer da Direita, que é quem todo aquele que não se acha de Esquerda, segundo alguns papalvos...) sempre aceitou as medidas do Ministro das Finanças?

E fez muito bem. Pelo menos assim já o Governo pode dizer que fez alguma coisa. Já não era sem tempo. Mas fez mal. Isso é outra história...

Tantos anos de Estado despesista, imobilista, retrógrado (old fashioned é mais elegante, mas hoje estou mais básico, mesmo- hoje e sempre para os meus caríssimos amigos esquerdistas, dou-lhes essa de barato!), pesadão, improdutivo...

Tantos anos de empresas despesistas (embora aí com maior rigor na selecção de quem pode e quem não pode ser despesista), imobilistas, retrógradas, pouco produtivas, com gestões inadequadas, mais voltadas para a alimentar a ‘vidinha’ do gestor- com o handicap de ser dos mais bem pagos da Europa, faltoso aos seus deveres de contribuinte, doloso até, frequentemente...

E agora a solução, fresquinha e acabadinha de chegar da teórica Cátedra do Senhor Ministro: subam-se os impostos. Fácil! Estou a vê-lo(s) sentado (s) à(s) secretária(s) com a calculadora ao lado (mas desligada), uma folhinha de papel e duas a três linha escritas: subam-se os impostos- o IVA o ISP, sobre o Tabaco e sobre o álcool...e mais uns mais pequenitos. Uma assinatura (Professor Doutor tal e tal...) Pronto (prontos, é mais moderno...). Fácil! Estão a ver? E tarefa cumprida! Agora que se deslindem os outros: as empresas medievais portuguesas, os casais jovens aspirantes a classe média, os pobres, que cada dia são mais.

Até quando o aumento? Alguém diz? Pois era bom saber.

Resolvido o défice (sê-lo-á algum dia?) que fazer depois, que não se deva iniciar já, agora? Sem mais delongas!

Estas medidas lembram-me as empresas que, vendo reduzido o seu mercado, ou a sua base de clientes, sobem os preços, porque um iluminado gestor aplica assim, de régua e esquadro, as teorias da Faculdade. Resultado mais frequente: vende ainda menos e...fecha, passado pouco tempo, por não ter percebido a tempo que o mercado não aceita tudo. Não absorve tudo e não está disposto a tudo.

...não aceita e não está disposto a tudo senhor Ministro! (não fossem os empresários nacionais peritos em fugas a impostos...e agora mais altos, claro que vão pagar melhor, pois... com eles mais se preocupam é com essa entidade, para eles indefinida e nebulosa, chamada País...)

Mas irão ser feitos grandes esforços para melhorar a colecta (engraçado... não me lembro de ter algum dia resultado, sem que não fossem feitos 'descontos' e dadas benesses... contrário ao espírito do próprio aumento da carga fiscal)

Isto é do lado da receita ( do lado mais curto do Orçamento do Estado).

Do outro lado (do lado da despesa, como dizem os economistas...)
Que se vai fazer para se REDUZIREM as despesas públicas? Apenas a congelação de promoções? E de salários? Quanto vale isso tudo somadinho?

Com que contam as empresas, boas e más, nos próximos anos- que estão na imediata vizinhança destes malfadados anos onde ainda nos encontramos, recorde-se!

O Governo diz que vai anunciar medidas para estimular a economia? Não entendo...como?

Sou eu que não entendo...mas esperemos e, já agora, o meu vaticínio: no final do ano o défice será de mais de 7 %. Aposto até em 7,5 %. (Com o sou leigo e irresponsável- no sentido de não ser responsável num qualquer organismo fiscal ou económico- é o mesmo que apostar chegar primeiro numa corrida para a qual nem nos preparámos). Não?

Ou isso, ou estes governantes não são mesmo socialistas!

Aguardemos...

Mais pobres, infelizes e cépticos, mas aguardemos...

Comentários

Pim disse…
O engenheiro já falou? e eu não ouvi...
Hipatia disse…
Uma merda de todo o tamanho a culminar anos e anos de merda.

Leste o artigo do DN àcerca da forma como o último orçamento tinha sido "aldrabado"? Agora imagina todos os outros antes desse :(

E quem se f*** é sempre o mexilhão!
Hipatia disse…
Esqueci o link:

http://dn.sapo.pt/2005/05/24/tema/defice_683_autarquias.html
abf disse…
Nãi li o artigo do DN, mas soube o suficiente dele. Umas vezes é por engano, outras por omisssão, outras ainda por incompetência e "ainda há algumas" ('das vezes', como agora se vem tirnando moda. também, ai, ai...)vezes em que se trata de "aldrabice", "pure and simple"...ou é por outra ordem?!?
Enfim...entregues aos bichos, ups, perdão os bichos (mexilhões) somos nós, pois...
..."Ou burros até um dia"...
abf disse…
Pim...
S'o engenheiro já falou? o'messa! Não se pode invocar o desconhecimento do inginheiro, p...! Poi' não?!
Aliás ele pouco fala, mas pensa muito..e até se lhe ouvem as moléculas, lá dentro, ora....concentra-te: não tás a ouvir? Ele (maiúscula!) pensa por nós, tadinhos!
lilla mig disse…
É triste assistir de fora ao afundar do barco...(Bom, seria pior ainda assistir de dentro!) Não estou mesmo a ver isto a dar uma volta decente e tenho a sensação de que somos comidos por parvos a toda a hora... Aguardemos pois, enquanto o "terceiro-mundismo" nos invade lentamente...
espumante disse…
Não concordo com a Laura lara. Acho que não andamos a sr comidos. Andamos claramente a ser sodomizados...
:)

Mensagens populares deste blogue

Leituras recomendadas

Parece normal

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz