Um Recital memorável!




Venho absolutamente maravilhado!

Assisti, ao fim da tarde de hoje, a um Recital de uma Academia de Música, à qual pertenço como membro da associação que a gere, que teve lugar no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

Apresentaram-se crianças e jovens de idades que vão dos 3 anos aos 14 (mas na Academia as idades variam entre 3 e 18 anos).

Todos fizeram o seu melhor. É fantástico assistir a cirnças tão pequeninas se apresentarem com um postura tão correcta e responsável, entre nervos a puxarem-nas dali para fora e vontade de darem o melhor de si mesmas, deixando pais, professore e amigos todos felizes.

Desde músicas mais ou menos populares a outras composições mais elaboradas, de Händel, Severn, Fiocco e Bach, para citar apenas alguns, tocando violinos, clarinete ou piano, estas crianças fazem-me nestes momentos recuperar alguma esperança no futuro deste nosso, muitas vezes, amaldiçoado país.

Para o final haviam-nos reservado uma surpresa: uma das jovens que há muito nos promete o melhor que a música pode oferecer, interpretou o terceuiro andamente do meu muito amado Concerto para violino e Orquestra N.1 em Sol menor, Op. 26, de Max Bruch.

Nesta fase devia deixar tudo em branco. Só isso representaria o meu espanto. Total espanto. A jovem tem agora 14 anos. Nunca assiti a alguém tão jovem presentear o público com tal rigor, energia, frescura, entusiasmo, empenho, concentração, emoção e , por fim, mas não por menos, BELEZA! Verdadeira e pura BELEZA! 14 anos...!!!

Durante a execução pela jovem- Maria V., seria justo mencionar o seu nome, mas não tendo pedido autorização para tal, não o faço, infelizmente - tive de me aguentar com algumas lágrimas de emoção a quererem sair-me pelos olhos. Já que os olhos naqueles momentos apenas me deram apoio, ou melhor, não estavam lá a fazer nada. Os ouvidos é que me permitira, tamanha satisfação.

Senti-me a assitir a um momento único. Nunca havia até hoje, até aquela maravilhosa execução de tão difícil quão virtuosística composição, que hoje me foi dada assitir, nunca até hoje presenciei uma Audição, ou recital, por um aluno com tal dimensão e qualidade.

Senti-me como se estivesse num grande Conservatório, como o de Paria, Viena ou Moscovo a assistir a uma nova e enorme revelação da arte do Violino.

Tenho a mais absoluta certeza de que se esta jovem estivera num desses famosos Conservatórios com tal desempenho, passaria a ser considerada e registada como uma da novas promessas da Música Ocidental. Como uma promessa para o futuro da nossa Música, da nossa cultura. E teria logo diversas editoras discográficas a tentarem obter um contrato exclusivo com a Maria.

Hoje assiti verdadeiramente a algo de NOVO.

Queria ter escrito sobre as vergonhosas expulsões que alguns pretendem efectuar no PSD. Num país e partido que diz de si, ser Democrático.

Mas isso ficará para amanhã. Isso não é novo.

Neste espaço " de nada de novo..." quero deixar testemunho de que hoje, pelas 19:00 horas, aconteceu algo de novo e de muito bom!

Parabéns Maria V.!
Posted by Hello

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Parece normal

Leituras recomendadas

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz