No Balneário


Muitas vezes nos podemos intrigar (apenas os curiosos, este texto é para os curiosos!) um "bocadinho" com o que se passa no balneário do sexo oposto. Que conversas fazem os homens entre si, que comportamento têm nesse espaço que lhes é exclusivo?

E as mulheres que dizem umas às outras no balneário? E no WC, quando lá vão aos pares ou trios?

Pois é. As conversas, atitudes e comportamentos dos balneários são momentos "quase-íntimos" que ficam entre os membros do sexo respectivo.

Mas também os comportamentos nas casas de banho públicas podem ser motivo de intriga, de curiosidade, e são não raramente ocasião para dizer "aquela coisa" que não se pode dizer "onde as paredes têm ouvidos". Os homens podem falar "daquela gaja" (eh pá, visto 'aquilo'?). As mulheres podem dizer "tu viste como ele me olhava...?"

Será assim?

Não sei. Depende. Talvez...

Muitas coisas ficarão para sempre no mais absoluto segredo. Esta parte da vida quotidiana, apesar de já ter sido objecto de escrita de alguns autores, é sempre duvidosa e, seguramente, misteriosa.

Pretendo iniciar uns quantos textos sobre cenas, locais e atitudes do nosso quotidiano.

Desafio a quem quiser, que escreva sobre experiências suas, ou que lhes tenham sido relatadas..com uma condição: dar uma nota cómica aos textos, se possível sem excessos desnessários de linguagem, mas obviamente respeitando a realidade, tal como foi vivida. E respeitar o anonimato das pessoas envolvidas, claro.

Pela mnha parte, começo por relatar fragmentos de cenas e conversas no balneário do ginásio que frequento, onde nos dias em que lá vou encontro mais ou menos as mesmas pessoas, a mesma "fauna".

Normalmente (surpreendentemente, talvez, para as senhoras que me possam ler...) as conversas são breves e rondam os temas do futebol, das novidades noticiosas e poucas vezes as mulheres, ou comentários sobre elas.

Na sauna ou banho turco não há condições para grandes conversas, mas ainda assim há uns quantos mais "valentes" que vencem a dificuldade respiratória inerente aos 80 ou 95 º C, para fazerem incursões sobre política e, principalmente sobre "oas gajos não jogaram nada, mas viste-me aquela jogada? Aquilo não era offside?"

No geral a malta que frequenta os 3, 5 ou 10 minutos de temperaturas extremas, húmidas ou secas, recolhe-se nos seus pensamentos, ou então em "isto parece que o tempo não passa, f..., vou mas é embora, mas só depois daquele gajo ali, para não dar uma de fraco". E dessa forma não há tempo, nem condições para grandes pensamentos, e se não os há, não haverá grandes conversas, pois entre o calor de 90's e um "Pbhom...dgia" em eveidentes dificuldades respiratórias, a coisa fica-se por ali. Em silêncio, também extremo.

Mas porque razão se torturam as pessoas com tais temperaturas? Eu, por imi confesso, que aprecio, mas nem sei explicar...talvez para não ter de ouvir futebóis...

Por uma vez ouvi um indivíduo a comentar que "ela não tem aparecido, e isto tem-me dado volta à cabeça", mas só o ouvi a esse, uma única vez, abordar o tema "mulheres" ou "gajas".

Há uns dias era a risota geral sobre o patético episódio do automóvel que a pol+icia de Évora havia feito explodir, por sus+eitar de uma bomba, pelo facto do mesmo não ter placas de matrícula. Uns bons minutos de riso..."tá tudo doido" e "rebentaram o carro ao homem".

Há também os que têm um comportamento laboratorial. Demoram-se e esmeram-se na colocação da toalha no chão, para isolarem os pés dos fungos que, certamente, ali os esperavam. Levam uma infinidade a secar os pezinhos e outra a secarem o cabelo e se pentearem.

Há alguns, felizmente poucos (irra!!!) que apreciam os outros, lançando olhares a todo o lado...e "partes de todo o lado"...

Hoje, por exemplo, um tipo com aparência indiana esmerava-se a olhar-me, no duche...e enquanto me vestia...ai, ai "menino"...
Esperem lá! Pode ter sido impressão minha!

Mas pelo sim, pelo não, decidi que se voltar a acontecer passo a equipar-me e tomar duche no balneário das mulheres.

A ver se elas me olham como "aquele"... Posted by Hello Posted by Hello

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Leituras recomendadas

Parece normal

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz