Histórias de encantar- A pequena história dos três gatos- história da típica empresa familiar portuguesa

Eram três. O gato pai e dois filhinhos. Ou um filhinho e uma linda filhinha, não interessando aqui qual sexo do bichano. Quando ainda pequeninos (há quem diga que serão sempre) ocupavam-se a correr, ameaçar-se um ao outro, que eu te arranho, tu vê lá, dizia um, que eu te roubo o leitinho, dizia o outro. O pai, sem dúvida, que era quem mandava. Mas apenas isso, coitados dos gatinhos.
Mais tarde, crescidinhos (há quem diga que não verdadeiros gatos adultos, não é importante também, afinal) continuam, agora com mais manha (típica de gatos, diz-se) a tentar arranhar-se e ainda persistindo um em ir ao pratinho do leitinho do outro. O pai, que sabia, não só deixava, como incentivava, umas vezes a um, outras a outro, que vencesse o mais forte (não é essa natureza das coisas? Não é assim que tudo deve ser e acontecer? Em tudo, na vida. Só o mais forte vencerá!).
Mas não havia modo de aparecer um mais forte do que o outro. Em lugar da força, crescia a manha, a verdadeira e genuína manha de gato, perdão, gatinho, que a todos à volta encantava, pensavam eles (e não apenas dentro dos limites do seu pequenino reino, mas também, ao mundo, sim porque não encantar todo o mundo, se eram tão ágeis no uso e ebuso da sua principal arma secreta, a manha, a suprema arte do faz-de-conta ) como sinónimo de destreza intelectual (inteligência, até, talvez). Todo o bicho que andava lá pelas bandas do seu pequeno beco, ou recantos do seu lindo quintal, ou se entendia com a subtileza refinada daquela manha, daquela refinada vida nas sombras, daquela arte, é isso.
Os gatos têm sete vidas, todos sabemos, e por isso, todo o mundo teria de entender com eles, melhor, teria de se resignar ao seu poderio, por muito e muito tempo, o mesmo é dizer por uma eternidade.
Mas mesmo com sete vidas, pois sete não oito, o gato pai um dia havia de se finar. Que aconteceria aos gatinhos, tão cuidadosamente educados na sua suprema arte de a todos encantar e, desculpem-me enganar...
Mas não, essa parte da história ainda terá de ser contada, muito provavelmente por outros bichos que ainda sobrevivam. Não tem lugar aqui, agora.
Miauuuuu!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Parece normal

Leituras recomendadas

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz